• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Metroviários, usuários, movimentos sindical e sociais protestam contra reajuste

Manifestantes ocupam o Centro de Belo Horizonte. Liminar do TJMG suspende o aumento

Publicado: 12 Maio, 2018 - 13h22 | Última modificação: 07 Junho, 2018 - 19h38

Escrito por: Rogério Hilário, com informações do Sindimetro-MG

notice

Em ato  de protesto contra o reajuste de 88% da tarifa de metrô,  metroviários, coordenados pelo Sindimetro-MG, usuários, movimentos sindical, sociais, estudantis e populares se uniram na noite de sexta-feira (11), na Praça Sete, Centro de Belo Horizonte. Após concentração, eles saíram em marcha para a Praça da Estação. Apesar de o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG)  ter concedido de liminar que suspende o aumento, com multa diária de R$ 250 mil caso a CBTU não cumpra a determinação, todos se comprometeram a continuar na luta pelo transporte público  de qualidade e com tarifa social. A empresa já foi notificada.

Romeu José Machado Neto, presidente do Sindimetro-MG,  ainda na concentração para o ato público, acreditava que era possível reverter o aumento. “Recorremos ao Ministério Público, à Justiça para, em caráter liminar, suspender o reajuste, com já aconteceu no Rio Grande do Sul. Mas nossas ações não vão se resumir a esse ato. Vamos continuar dialogando e buscando o apoio dos usuários e realizaremos mais manifestações, como as que as que fizemos nas coesções Vilarinho e Eldorado: o Café nos Trilhos. O reajuste atenta com o direito de ir e vir da população. Não é hora de corrigir defasagem de preços. Sabemos que o propósito, na verdade, é a privatização do metrô”, disse Romeu Machado.

Nota do Sindimetro-MG

Foram 12 anos sem aumento da passagem do metrô! E considerando que o transporte deve ser visto como um direito social e uma garantia do ir e vir da população, foi mais do que justo não ter aumento!

O transporte público é um dever do estado e um direito do cidadão!

Por muitos anos era o que líamos nas laterais ou nas traseiras dos ônibus, embora há muito tempo eles deixaram de ser transporte público para ser um transporte privado, com linhas concedidas pelas prefeituras e governos do estado, no caso do transporte intermunicipal.

Mas, não foi assim com o metrô de BH. Desde que o início do seu funcionamento, em 1986, ele é operado por uma empresa estatal federal, a CBTU.

Por interesses que nunca foram os da população, o metrô não teve os investimentos necessários para expandir-se e aí teve as “grandes mãos” dos empresários do sistema de transporte, que não tinham interesse em ver um metrô “abocanhando” uma fatia importante dos trajetos feitos por eles! Por isso, há mais de 30 anos o metrô só opera um pequeno trecho de 28 km, sem nenhuma modernização e expansão!

A população do Barreiro que o diga. Há mais de 30 anos sonham com o metrô para diminuir o tempo que gastam com sua locomoção pela cidade. Esse problema já virou piada e foi marchinha de carnaval desse ano!

28 km de linha e o maior aumento de tarifa...

Considerando todo o sistema metro-ferroviário operado pela CBTU nas cidades de Natal, João Pessoa, Recife e Maceió, Belo Horizonte tem a menor extensão em operação. É também, entre todas as unidades, a que teve o menor investimento do governo federal. No entanto, foi a que teve o maior aumento em termos de valores!

E você vai aceitar esse aumento abusivo?

Nós, do Sindimetro-MG e o conjunto da categoria metroviária, sempre lutamos por um metrô público estatal de qualidade, com tarifa social. E esse aumento está na contramão de tudo o que defendemos. Por isso, estamos buscando construir um movimento unindo os movimentos sociais, sindicatos, estudantes e a população em geral para tentar barrar esse aumento abusivo.

O Sindimetro inclusive entrou com uma denúncia no Ministério Público estadual e federal com o mesmo objetivo: barrar o aumento através da Justiça.

Embarque nesta luta!

Vamos mostrar a nossa profunda insatisfação com mais essa medida impopular de um governo que só demonstra não representar os interesses do povo!

carregando
carregando