• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Formação sindical fortalece a Greve Geral #14J

Dirigentes do SIND-UTE/MG, SINTTRURB, SINTRACOL e SINTRAF participam de curso sobre CEPS em Uberlândia. Na pauta, a greve geral contra a reforma da Previdência Social

Publicado: 11 Junho, 2019 - 14h17 | Última modificação: 11 Junho, 2019 - 14h28

Escrito por: Escola Sindical 7 de Outubro 

Escola Sindical 7 de Outubro 
notice

Além de contribuir para a apropriação crítica da Concepção, Estrutura e Prática Sindical (CEPS) da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a formação sindical realizada nos dias 7 e 8 de junho, no SINDIELETRO-MG, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, esteve voltada para o debate sobre a reforma da previdência social e a importância do trabalho de base para organização da greve geral, convocada pela CUT para o próximo 14 de junho.

Participaram do curso mais de 25 dirigentes sindicais vinculados a quarto entidades sindicais CUTistas do Triângulo Mineiro: Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação de Minas (SIND-UTE/MG), do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano de Uberlândia (SINTTRURB), Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Coletivo de Uberaba (SINTRACOL) e Sindicato dos Trabalhadores da Indústria do Fumo (SINTRAF).

 O curso surgiu da necessidade de preparar dirigentes sindicais que recentemente assumiram a direção das entidades sindicais, destaca Lourdes Aparecida de Jesus, secretária de organização e política sindical da CUT Minas Gerais. Para Lourdes, “os dirigentes sindicais precisam estar constantemente estudando, se preparando para o enfrentamento da atual conjuntura. Formação política sindical, estudo e acesso a informação é fundamental. Vamos à luta para a greve geral e derrotar a reforma da previdência. Dia 14 é greve geral. Vamos parar toda força de trabalho deste país”.

 Márcio Dúlio, presidente do SINTTRURB, reconheceu o esforço da CUT/MG em construir um espaço solidário de formação para os dirigentes sindicais no Triângulo Mineiro. No momento atual das lutas, a formação é um instrumento de conscientização e fortalecimento do movimento sindical para barrar a reforma da previdência social, reforçou. Marcio elogiou a dirigente Lourdes de Jesus pela sua atuação na CUT Minas e apoio aos sindicatos no Triângulo Mineiro.

Guilherme Faria, coordenador da subsede do Sind-UTE/MG de Uberlândia, acredita que a formação de quadros dirigentes é um dos maiores desafios da conjuntura atual. Precisamos de mais iniciativas como essa para preparar as lideranças com visão crítica acerca das questões candentes da luta de classes no Brasil.

A manhã do dia 8 foi dedicada à análise de conjuntura político-sindical brasileira e da PEC 06/2019, Reforma da Previdência Social. Os dirigentes sindicais, inclusive, fizeram simulação no “aposentometro” do DIEESE no site da CUT-Brasil.

Para Emanoel Sobrinho, educador da Escola Sindical, ao tentar desconstitucionalizar a previdência social, criar o advento da capitalização individual e estabelecer novas regras de ingresso, governo de plantão visa mercadorizar o direito à proteção social do trabalho no Brasil e, com isso, colocar a maioria da classe trabalhadora na miséria.

Para Roberto Vieira, presidente do SINTRACOL, a CUT Minas Gerais está de parabéns pela iniciativa. Nunca sabemos tudo, por isso, a formação sindical é tão importante para atualizar o olhar sobre as lutas do presente, enfatizou Roberto.

 

Romualdo Leite, coordenador geral do SINTRAF, o curso de CEPS é de extrema importância para o conhecimento da história de lutas da classe trabalhadora e o papel da organização sindical na conquista de direitos do trabalho, principalmente, na luta por democracia no Brasil a partir da fundação da CUT, em 1983.

William Franklin, coordenador regional do SINDIELETRO-MG no Triângulo Mineiro, ressaltou a importância da formação para o fortalecimento das lutas coletivas na conjuntura atual.

Elaine Ribeiro, dirigente do SIND-UTE/MG e secretária de combate ao racismo da CUT/MG, avaliou positivamente a formação sindical pela relevância dos conteúdos abordados e sua relação com a greve geral de 14 de junho, convocada pela CUT.

Para Adilson Pereira, coordenador geral da Escola Sindical 7 de Outubro, a 4ª Conferência Nacional de Formação da CUT, realizada na última semana de maio em Belo Horizonte, consolidou a política de formação como uma das prioridades estratégicas da Central. “Portanto, é papel da Escola Sindical atuar para que mais dirigentes e militantes sindicais participem da formação e com isso compreendam o seu lugar como sujeito transformador da realidade política, social e econômica do país”, disse Adilson Pereira.