• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Lula chama MST à luta: “Se demonstrarmos medo, vamos ser dizimados”

Lula discursa no Encontro de Amigos e Amigos do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) , em Sarzedo (MG) e relembra sua participação na assembleia de fundação do MST, em janeiro de 1985.

Publicado: 24 Janeiro, 2020 - 10h02

Escrito por: Brasil de Fato

Brasil de Fato
notice

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi um dos convidados do Encontro de Amigos e Amigos do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Sarzedo (MG), na noite de quinta-feira (23). Ele discursou aos cerca de 400 presentes na plenária e relembrou da sua participação na assembleia de fundação do MST, em janeiro de 1985.

 

Lula novamente agradeceu à militância do MST pela solidariedade demonstrada a ele na Vigília Lula Livre, em Curitiba, durante os 580 dias que permaneceu preso. Também enfatizou a luta dos trabalhadores, não somente na ocupação de terras improdutivas, mas na produção de orgânicos, na preservação da biodiversidade dos alimentos.

 

O petista demonstrou indignação com as contradições do sistema capitalista. Segundo Lula, em nome do desenvolvimento, o sistema provou ser “muito bom para acumular dinheiro para poucos e muito ruim para garantir o direito de muitos”.

“O resultado do desenvolvimento capitalista é que os capitalistas ficaram muito mais ricos e os pobres estão ficando mais pobres.”

 

Ele denunciou a conduta golpista do governo dos Estados Unidos ao apoiar intervenções em outras democracias, citou o caso da Venezuelada Bolívia e o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff (PT) em 2016.

 

“Trump pensa em qualquer coisa, menos na paz, na democracia, nos diretos humanos e na autodeterminação dos povos.”

 

O ex-presidente argumentou que os golpes de Estado são motivados para impedir a continuidade de políticas de inclusão social e para permitir a apropriação capitalista das riquezas dos países.

Segundo ele, é necessário fortalecer uma narrativa sobre a soberania nacional, para garantir que o uso das riquezas naturais e intelectuais do país sirva ao povo brasileiro.

Lula citou ataques à soberania ocorridos a partir do governo de Michel Temer (MDB) e aprofundados no governo de Jair Bolsonaro (sem partido), como a retirada de direitos trabalhistas, a permissividade nas políticas ambientais e a entrega das empresas públicas.

“O dinheiro que entrou nesse país não gerou emprego, entrou como resultado da entrega de empresas para o exterior.”

 

A postura da classe trabalhadora, para Lula, não pode ser de medo. “Eu com 74 anos vou ter que falar mais grosso. Se a gente demonstrar medo, nós vamos ser dizimados. Nós e as nossas conquistas. Vão acabar com a educação, com investimentos em ciência e tecnologia, quase tudo que a gente conquistou. Temos que levantar a cabeça e enfrentar”, defendeu.

 

Ele também avaliou o governo Bolsonaro: “é o que poderia estar acontecendo de pior para o nosso país, para o povo brasileiro”. Por outro lado, de acordo com ele, o atual governo “é o que está acontecendo de melhor para os capitalistas”. “Na lógica dessa gente, pobre tem que ser pobre para sempre”, enfatizou.

 

O ex-presidente concluiu seu discurso tirando o chapéu para o MST – Lula de fato sacou o boné do movimento que levava à cabeça –e convocando a militância para a luta pela reconquista dos direitos sociais. “O MST é uma das coisas mais primorosas da história desse país. Não permitam perder o que vocês conquistaram.”

 

“A gente diz que a sociedade está um pouco anestesiada, mas talvez a gente tenha culpa. Então o lema agora é o seguinte: se a gente não brigou ano passado, vamos ter que brigar muito esse ano”, sentenciou.