• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Profissionais da saúde protestam e denunciam falta de equipamentos de proteção em BH

Servidoras e servidores planejam outro protesto nesta semana para reivindicar que a gratificação emergencial dada pelo governador de Minas Gerais, Romeu  Zema, apenas aos médicos

Publicado: 27 Abril, 2020 - 16h54 | Última modificação: 28 Abril, 2020 - 11h28

Escrito por: Rogério Hilário, com informações do G1, do BHAZ e Sind-Saúde/MG

Sind-Saúde/MG
notice

Trabalhadoras e trabalhadores do Hospital Júlia Kubitschek, na região do Barreiro, fizeram uma paralisação nesta segunda-feira (27) das 8 horas às 14 horas.  Servidoras e servidores reivindicam melhores condições de trabalho e denunciam a falta de equipamentos de proteção individuais (EPI) para atuar no combate ao coronavírus.

A preocupação é grande, pois, segundo os profissionais da enfermagem, um médico que trabalha na unidade teve o teste do coronavírus com resultado positivo. A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informou que o médico que testou positivo foi afastado de suas atividades seguindo as orientações da Gerência de Saúde e Segurança do Trabalhador.

Servidoras e servidores planejam outro protesto nesta semana para reivindicar que a gratificação dada pelo governador de Minas Gerais, Romeu  Zema. O Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde do Estado de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG) informou ainda que a escala mínima de 30% está sendo mantida. O centro de saúde tem cerca de 1,9 mil trabalhadores.

Zema publicou decreto no último dia 10 para dar a bonificação para os médicos da Fhemig. Enfermeiros, técnicos de enfermagem, motoristas, auxiliares de serviços gerais, entre outros profissionais que lidam diariamente com a pandemia da Covid-19, no foram beneficiados. Outra reivindicação da classe é a disponibilização de equipamentos de segurança para todos os profissionais que trabalham no combate ao novo coronavírus.

Os servidores da saúde querem ainda que sejam realizados mais testes da Covid-19 nos trabalhadores. Além disso, eles consideram que o Governo de Minas não está sendo completamente transparente com relação aos resultados dos exames.

Outra questão levantada pelos profissionais foi a falta de representação no comitê criado pelo Governo Estadual para combater a Covid-19 e a extensão para todos da gratificação de emergência dada pelo estado aos médicos.

As paralisações não devem parar nesta segunda-feira. Nesta terça-feira (28), está marcada uma assembleia com os trabalhadores do hospital Raul Soares. O problema é que a unidade de saúde está recebendo os pacientes do hospital Galba Veloso, que será reservado aos pacientes com Covid-19.

Casos da Covid-19 em Minas

A SES-MG (Secretaria de Estado de Minas Gerais) informou nesta segunda-feira (27) que há 1.586 casos da pandemia confirmados no Estado. Há ainda 62 mortes e outros 98 óbitos são investigados.

O que diz a Fhemig?

A Fhemig informou que o abono dado aos médicos é uma espécie de equiparação dos salários com a iniciativa privada. O governo tomou essa medida porque está difícil contratar o citado tipo de profissional. A fundação afirma ainda que não houve desabastecimento de EPIs.

Protesto em Juiz de Fora

Servidoras e servidores do Hospital Regional João Penido, da rede Fhemig em Juiz de Fora, fizeram um protesto na manhã de sexta-feira (24). O desrespeito do governador Romeu Zema com os profissionais da saúde durante o enfrentamento do novo coronavírus têm deixado a categoria indignada em meio a tanta sobrecarga de trabalho. 

Sem Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) suficientes e diversas denúncias de descaso com as condições de trabalho, os trabalhadores ainda foram deixados de fora de uma gratificação estadual que o governo Zema criou destinada apenas aos médicos. Com uma estrutura multidisciplinar, a decisão privilegiada do governo causou uma onda de revolta em todo o Estado. O HRJP foi o primeiro a parar durante um período do dia como protesto, outras paralisações devem acontecer nas unidades da Fhemig. O Hospital Julia Kubistchek já tem paralisação agendada para a próxima segunda-feira. 

A pauta que está sendo discutida em assembleias locais são: a extensão da gratificação emergencial da pandemia para todos os trabalhadores estaduais da saúde; o retorno dos leitos psiquiátricos do Hospital Galba Velloso e a reabertura do HGV-Ortopédico; afastamento imediato dos trabalhadores do grupo de risco, sem perdas salariais; fornecimento de EPIs para todos os profissionais da saúde; representação dos trabalhadores no Comitê do Plano de Prevenção e Contingenciamento à COVID-19.  No Hospital João Penido, a assembleia que aprovou a paralisação foi realizada na última segunda-feira (20).

A diretora do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde (Sind-Saúde/MG) Lenir Romani afirma que a categoria não aceita a exclusão do pagamento da gratificação emergencial ao enfrentamento da pandemia. “Não é só uma categoria que está prestando atendimento, são todas. Entrou no portão dessa unidade para dentro, desde o administrativo ao profissional da enfermagem, passando por todas as áreas como nutrição médica, técnica, auxiliares, farmacêuticos - todos estão fazendo o enfrentamento desse inimigo invisível”, argumenta Lenir durante o protesto. 

Lenir ainda denuncia que no Hospital, a ala da pediatria tem atendido casos de COVID-19 em conjunto com outras patologias, contrariando as orientações sanitárias e colocando em risco a saúde dos pacientes e familiares. 

No mesmo momento, trabalhadores do SAMU vinculados ao Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Sudeste (Cisdeste) realizaram uma Assembleia em frente à sede de Juiz de Fora. A pauta também era por fornecimento de EPIs prometido pelo governo estadual. O delegado sindical Renato Zibordi reclama do atraso nos repasses estaduais em torno dos R$ 3 milhões para o Cisdeste. Trabalhadoras e trabalhadores também reivindicam a inclusão da gratificação de emergência em razão do combate à Covid-19.