• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Seci luta pelos direitos dos comerciários de Ipatinga

Negociações continuam emperradas, pois patrões querem incluir mudanças que prejudicam a categoria

Publicado: 06 Setembro, 2018 - 12h14

Escrito por: Ascom/Seci

Júnior - Art Publish
notice

Depois de três reuniões, as negociações continuam emperradas. O Sindicato dos Comerciários  de Ipatinga (Seci) quer discutir os itens reivindicados pela categoria, ou seja, reajuste de salários e ganhos sociais. O sindicato patronal se nega a conversar sobre essas questões e quer incluir na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), mudanças que podem trazer prejuízos para os empregados. O Seci fará o possível para que as reivindicações dos comerciários sejam atendidas. Isso não é ruim para o empregador, pois tudo que é investido em benefício do empregado é garantia de retorno para a empresa. Trabalhador valorizado e um bom relacionamento dentro da loja criam um ambiente saudável e próspero. Isso se transforma em produtividade.

Nas assembleias que aconteceram no dia 17 de julho e dois de agosto, os trabalhadores aprovaram uma lista de reivindicações com 73 itens. Essas reivindicações foram entregues ao sindicato patronal no dia sete de agosto. A data-base dos comerciários é primeiro de outubro. Portanto, tudo que for negociado passa a valer a partir dessa data, mesmo que a CCT seja assinada depois.

 Algumas das reivindicações dos comerciários apresentadas pelo Seci

 Salário Comercial de  R$ 1.230; reajuste de 15% para os demais salários, garantia de no mínimo,  R$1.467,40 para o vendedor comissionista; abono de R$ 345 para todos os trabalhadores; bonificação de casamento no valor correspondente a 50% do salário do trabalhador; participação nos lucros da empresa; vale refeição diário no valor de R$ 16,50; cesta básica no valor mensal correspondente a 20% do piso salarial da categoria;  seguro de vida no valor de R$ 27.048;  planos de saúde e odontológico gratuitos para todos os empregados e seus dependentes; redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução nos salários.

 Para que o Sindicato tenha sucesso, o comerciário deve se manter informado, trazer sugestões que contribuam para a negociação, ajudar a mobilizar os companheiros de categoria e participar das ações propostas pelo Sindicato.          

carregando