• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Semana de Lutas é decisiva contra a reforma da Previdência

CUT/MG articula mobilizações, manifestações, paralisações; MST realiza ato com a presença de Lula em acampamento

Publicado: 16 Fevereiro, 2018 - 16h56

Escrito por: Rogério Hilário

notice

A Semana de Lutas contra a reforma da Previdência, entre os dias 19 e 23 de fevereiro, e o Ato Político em solidariedade a Lula, com a presença do ex-presidente na próxima quarta-feira, em Itatiaiuçu, foram os temas de entrevista coletiva, concedida na tarde desta sexta-feira (16), na Sala de Imprensa da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em Belo Horizonte. Participaram João Pedro Stédile, da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST);  e a presidenta da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG), Beatriz Cerqueira. Compuseram também a mesa o deputado estadual Rogério Correia (PT); a deputada federal Jô Moraes (PCdoB); e o procurador de Justiça do Ministério Público e especialista em reforma agrária, Afonso Henrique Miranda Teixeira.

Segundo Beatriz Cerqueira, a próxima semana será a continuidade do enfrentamento à reforma da Previdência, e terá início com o Dia Nacional de Mobilizações, Manifestações e Paralisações, convocado pela CUT, na segunda-feira (19). “Estamos nesta luta desde 2016. `Com a greve geral, as mobilizações e as marchas não permitimos que a reforma da Previdência fosse aprovada. Agora, retornaram com a pauta e realizamos um processo de esclarecimento da população sobre as consequências da reforma. Por isso, a segunda-feira (19) vai ser um dia inteiro de protesto em todo o Brasil. Mas seguiremos em luta por toda a semana em Minas Gerais.”

O Dia Nacional de Mobilizações, Manifestações e Paralisações começará, em Belo Horizonte, com protestos de várias categorias, como trabalhadoras e trabalhadores da saúde. Eles vão participar de Assembleia na Cidade Administrativa, sede do governo do Estado, a partir das 10 horas. “Às 13 horas, faremos um Almoço Simbólico em frente à Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), que tem apoiado a pauta golpista e é a favor da reforma da Previdência. Às 16 horas, vai acontecer um ato unificado das centrais sindicais, na Praça Sete, Centro de Belo Horizonte. Manifestações acontecerão em todo o Estado. As mobilizações e ações seguirão além do dia 19. O  objetivo é impedir que haja votação e derrotar a reforma definitivamente”, afirmou a presidenta da CUT/MG.

Beatriz Cerqueira disse, ainda, que o posicionamento dos parlamentares mineiros sobre a reforma vai continuar. “Vamos questionar o comportamento dos deputados federais e denunciando o que o voto deles pode acarretar em prejuízo para a população. Raquel Muniz, Newton Cardoso Filho e Jaime Martins judicializaram nossa campanha, conseguindo liminares na Justiça. Mas isso não vai nos calar.”

Solidariedade

Para João Pedro Stédile, os movimentos sociais e sindical têm duas tarefas para os próximos semanas e meses: derrotar a reforma da Previdência e ampliar a luta pela democracia e o direito de Lula ser candidato à Presidência da República. O MST, segundo ele, vai se solidarizar com o ex-presidente, no dia 21, durante a visita que Lula fará ao Acampamento Maria da Conceição, nas antigas terras de Eike Batista, em Itatiauçu. A atividade abordará a estratégia da esquerda para retomada da democracia, o direito do ex-presidente se candidatar às eleições em 2018 e a ameaça à Previdência. A visita é organizada pelo MST e as articulações de movimentos sociais, “Quem Luta, Educa” e “Frente Brasil Popular”.

Durante o ato, espera-se mobilizar cerca de 5 mil pessoas, entre sem terras e diversas categorias de trabalhadores de pelo menos 30 municípios da região metropolitana de Belo Horizonte. Após um ano da primeira ocupação nas terras de Eike Batista no entorno da capital mineira, o MST pretende também mostrar os resultados da luta pela terra, a organização do acampamento e a necessidade de se realizar um projeto efetivo de Reforma Agrária no país. Às 18 horas do dia 21 de fevereiro, no Expominas, em Belo Horizonte (avenida Amazonas, 6.200, bairro Gameleira),  Lula participa da comemoração dos 38 do Partido dos Trabalhadores (PT).

“Será um ato singelo, de solidariedade. Queremos transmitir energia para ele. Independentemente do resultado de todo esse processo, vão registrar a candidatura de Lula no dia 15 de agosto. No dia 27 de fevereiro, iniciaremos uma caravana, em Livramento, no Rio Grande do Sul, em que Lula vai fazer uma dobradinha com José Mujica, ex-presidente do Uruguai. Nas caravanas contaremos com personalidades  o ator norte-americano Danny Glover; o argentino Adolfo Pérez Esquivel e a guatemalteca Rigoberta Menchu, Prêmios Nobel da Paz”, disse João Pedro Stédile.

“O povo transformou o Lula em um símbolo da oportunidade de mudança. Só Lula tem a capacidade de fazer um grande pacto, articular as classes em torno de um projeto de país, numa frente ampla para tirar o Brasil da crise. Sabemos que quem vai definir se ele pode se candidatar ou não é o STF e o TSE, mas se Lula não for candidato o Brasil vai mergulhar no caos da ilegalidade”, afirmou.

Congressos do Povo

Com relação à luta contra a reforma da Previdência, Stédile acredita que o que pode impedir a votação são grandes mobilizações com o povo nas ruas. “As mobilizações estão acontecendo em todo o país. E as manifestações devem ser, também, contra os bancos, que querem introduzir a previdência privada. É um grande absurdo o que a Globo faz: apoia a reforma porque tem interesses empresariais. E usa uma concessão pública para pressionar os parlamentares a aprovar as pautas do seu interesse. Vamos resistir e lutar até que o Rodrigo Maia (presidente da Câmara dos Deputados) anuncie, no dia 28, que não vai haver votação. Lula já prometeu que o primeiro ato que fará ao voltar à Presidência será um plebiscito popular revogatório das pautas golpistas.”

João Pedro Stédile acrescentou que as atividades do MST e as articulações de movimentos sociais, em defesa da democracia, contra a pauta golpista e pela reforma agrária, se intensificarão neste ano. “Estamos com os movimentos das mulheres no dia 8 de Março, para lutar pelas pautas específicas e debater a reforma da Previdência, pois as mulheres são as mais prejudicadas. A Frente Brasil Popular vai promover Congressos do Povo, de abril a julho. Será uma grande assembleia popular de um dia inteiro. Vamos juntar o povo para que ele debata os seus problemas e aponte soluções. Teremos em Minas Gerais um Congresso Estadual, em junho. O Congresso Nacional do Povo será em julho, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.”